No outono de 1992, uma descoberta um tanto quanto misteriosa foi feita em uma floresta localizada no estado de Brandemburgo, na Alemanha. Um estagiário, recém-contratado pela empresa de paisagismo alemã Ökoland Dederow, analisava fotos aéreas tiradas do no distrito de Uckermark, a 110 km de Berlim, em busca de linhas de irrigação, quando encontrou o desenho de uma suástica formada por um grupo de 140 larícios, pinheiro típico da Europa. A espécie fica amarelada no outono, destacando-se entre o restante das árvores.

Espantado, ele levou as imagens para seu chefe, o arquiteto Günter Reschke, que junto com o rapaz iniciou uma investigação para saber a origem da misteriosa formação entre os pinheiros.

Ao longo das investigações vários rumores tentaram explicar a origem do estranho desenho nas árvores: um fazendeiro local afirmou que plantou as mudas ainda criança, pois um engenheiro florestal lhe pagou alguns centavos por cada árvore. Outros garantiram que a plantação era uma tentativa de melhorar a imagem da região diante do governo nazista depois que um habitante da comunidade tinha sido levado para um campo de concentração porque foi pego escutando a BBC. 

A terceira hipótese, mais aceita que as outras duas, afirma que as árvores foram plantadas como uma homenagem a Adolf Hitler no seu aniversário, ainda nos anos 1930. O jornal alemão Berliner Zeitung ainda divulgou que as árvores foram plantadas como um agradecimento da comunidade ao Reich pela construção de uma estrada. Contudo, até hoje não se sabe ao certo a verdadeira origem da suástica nos pinheiros. 

Em 1995, o governo local ordenou que o símbolo fosse eliminado da floresta. Algumas árvores chegaram a ser derrubadas, mas no ano 2000 o símbolo nazista reapareceu no local. Em uma segunda tentativa, foram 25 árvores foram cortadas e o desenho foi totalmente desfeito.